artroscopia do joelho

A artroscopia é um procedimento cirúrgico pelo qual a estrutura interna de uma articulação é examinada para diagnóstico e/ou tratamento usando um instrumento de visualização tipo tubo chamado artroscópio. A artroscopia foi popularizada na década de 1960 com o advento das tecnologias de fibra óptica e agora é comum em todo o mundo. Normalmente, é realizada por cirurgiões ortopédicos em regime eletivo. Geralmente o paciente vai embora para casa no mesmo dia ou no dia seguinte.

A técnica da artroscopia envolve a inserção do artroscópio, um pequeno tubo que contém fibras e lentes ópticas, através de pequenas incisões na pele na articulação a ser examinada. O artroscópio é conectado a uma câmera de vídeo e o interior da articulação é visto em um monitor de televisão. O tamanho do artroscópio varia com o tamanho da articulação que está sendo examinada. Por exemplo, o joelho é examinado com um artroscópio com aproximadamente 5 milímetros de diâmetro. Existem artroscópios de 0,5 mm de diâmetro para examinar pequenas articulações, como o punho.

Se forem realizados procedimentos além de examinar a articulação com o artroscópio, isso é chamado de cirurgia artroscópica. Existem vários procedimentos que são feitos dessa maneira. Se um procedimento pode ser realizado artroscopicamente, em vez de por técnicas cirúrgicas tradicionais, geralmente causa menos trauma tecidual, pode resultar em menos dor e promover uma recuperação mais rápida.

Para que doenças a artroscopia é indicada?

A artroscopia pode ser útil no diagnóstico e tratamento de muitos tipos de artrite não inflamatória, inflamatória e infecciosa , além de várias lesões na articulação.

A artrite degenerativa não inflamatória, ou osteoartrite, pode ser vista usando o artroscópio como cartilagem desgastada e irregular. Um novo procedimento para o tratamento de pacientes mais jovens com uma lesão isolada na cartilagem que cobre as extremidades ósseas dentro de uma articulação usa uma “pasta” das células da cartilagem do próprio paciente. As células são colhidas e cultivadas em laboratório e são reimplantadas posteriormente no joelho com o uso de um artroscópio.

Na artrite inflamatória, como a artrite reumatoide, alguns pacientes com edema articular crônico isolado podem às vezes se beneficiar da remoção artroscópica do tecido articular inflamado (sinovectomia). O tecido que reveste a articulação (sinóvia) pode ser biopsiado e examinado ao microscópio para determinar a causa da inflamação e descobrir infecções, como tuberculose . A artroscopia pode fornecer mais informações em situações que não podem ser diagnosticadas simplesmente aspirando (retirando fluido com uma agulha) e analisando o fluido articular.

As lesões comuns da articulação do joelho para as quais é considerada a artroscopia incluem lesões da cartilagem, lesões do menisco, distensões e lesões ligamentares e desgaste da cartilagem sob a patela (rótula). A artroscopia é comumente usada na avaliação de joelhos e ombros, mas também pode ser usada para examinar e tratar as condições dos quadris, punho, tornozelos, pés , coluna vertebral e cotovelos. Finalmente, tecidos soltos, como lascas de osso ou cartilagem, ou objetos estranhos, como espinhos de plantas ou agulhas, que ficam alojados dentro da articulação, podem ser removidos com artroscopia.

Como é realizada a artroscopia?

A artroscopia é mais frequentemente realizada como procedimento eletivo. O paciente é internado no mesmo dia do procedimento. O tipo de anestesia utilizada varia de acordo com a articulação que está sendo examinada e as doenças do paciente. A artroscopia pode ser realizada sob anestesia geral, anestesia raquidiana ou peridural, bloqueio regional (onde apenas a extremidade examinada está entorpecida) ou mesmo anestésico local. Se um anestésico geral não for utilizado, o paciente geralmente é sedado. Após anestesia adequada, o procedimento pode começar. É feita uma incisão Antero lateral e uma incisão Antero medial na articulação a ser examinada, o artroscópio é inserido na incisão anterolateral. Outros instrumentos são colocados na incisão Antero medial para ajudar a manobrar certas estruturas na visão do artroscópio e para realizar os procedimentos necessários para o diagnóstico e o tratamento. Os instrumentos adicionais para reparos cirúrgicos, também podem ser inseridos na articulação através de pequenas incisões adicionais na articulação. Esses instrumentos podem ser usados para cortar, remover e suturar (costurar) tecidos danificados. Após a conclusão do procedimento, o artroscópio é removido e as incisões são suturadas. Pode ou não ser colocado um dreno de sucção para absorver o líquido que ficou no joelho durante a realização da artroscopia. Um curativo estéril é colocado sobre a incisão.

artroscopia do joelho

A artroscopia é um procedimento cirúrgico pelo qual a estrutura interna de uma articulação é examinada para diagnóstico e/ou tratamento usando um instrumento de visualização tipo tubo chamado artroscópio. A artroscopia foi popularizada na década de 1960 com o advento das tecnologias de fibra óptica e agora é comum em todo o mundo. Normalmente, é realizada por cirurgiões ortopédicos em regime eletivo. Geralmente o paciente vai embora para casa no mesmo dia ou no dia seguinte.

A técnica da artroscopia envolve a inserção do artroscópio, um pequeno tubo que contém fibras e lentes ópticas, através de pequenas incisões na pele na articulação a ser examinada. O artroscópio é conectado a uma câmera de vídeo e o interior da articulação é visto em um monitor de televisão. O tamanho do artroscópio varia com o tamanho da articulação que está sendo examinada. Por exemplo, o joelho é examinado com um artroscópio com aproximadamente 5 milímetros de diâmetro. Existem artroscópios de 0,5 mm de diâmetro para examinar pequenas articulações, como o punho.

Se forem realizados procedimentos além de examinar a articulação com o artroscópio, isso é chamado de cirurgia artroscópica. Existem vários procedimentos que são feitos dessa maneira. Se um procedimento pode ser realizado artroscopicamente, em vez de por técnicas cirúrgicas tradicionais, geralmente causa menos trauma tecidual, pode resultar em menos dor e promover uma recuperação mais rápida.

Para que doenças a artroscopia é indicada?

A artroscopia pode ser útil no diagnóstico e tratamento de muitos tipos de artrite não inflamatória, inflamatória e infecciosa , além de várias lesões na articulação.

A artrite degenerativa não inflamatória, ou osteoartrite, pode ser vista usando o artroscópio como cartilagem desgastada e irregular. Um novo procedimento para o tratamento de pacientes mais jovens com uma lesão isolada na cartilagem que cobre as extremidades ósseas dentro de uma articulação usa uma “pasta” das células da cartilagem do próprio paciente. As células são colhidas e cultivadas em laboratório e são reimplantadas posteriormente no joelho com o uso de um artroscópio.

Na artrite inflamatória, como a artrite reumatoide, alguns pacientes com edema articular crônico isolado podem às vezes se beneficiar da remoção artroscópica do tecido articular inflamado (sinovectomia). O tecido que reveste a articulação (sinóvia) pode ser biopsiado e examinado ao microscópio para determinar a causa da inflamação e descobrir infecções, como tuberculose . A artroscopia pode fornecer mais informações em situações que não podem ser diagnosticadas simplesmente aspirando (retirando fluido com uma agulha) e analisando o fluido articular.

As lesões comuns da articulação do joelho para as quais é considerada a artroscopia incluem lesões da cartilagem, lesões do menisco, distensões e lesões ligamentares e desgaste da cartilagem sob a patela (rótula). A artroscopia é comumente usada na avaliação de joelhos e ombros, mas também pode ser usada para examinar e tratar as condições dos quadris, punho, tornozelos, pés , coluna vertebral e cotovelos. Finalmente, tecidos soltos, como lascas de osso ou cartilagem, ou objetos estranhos, como espinhos de plantas ou agulhas, que ficam alojados dentro da articulação, podem ser removidos com artroscopia.

Como é realizada a artroscopia?

A artroscopia é mais frequentemente realizada como procedimento eletivo. O paciente é internado no mesmo dia do procedimento. O tipo de anestesia utilizada varia de acordo com a articulação que está sendo examinada e as doenças do paciente. A artroscopia pode ser realizada sob anestesia geral, anestesia raquidiana ou peridural, bloqueio regional (onde apenas a extremidade examinada está entorpecida) ou mesmo anestésico local. Se um anestésico geral não for utilizado, o paciente geralmente é sedado. Após anestesia adequada, o procedimento pode começar. É feita uma incisão Antero lateral e uma incisão Antero medial na articulação a ser examinada, o artroscópio é inserido na incisão anterolateral. Outros instrumentos são colocados na incisão Antero medial para ajudar a manobrar certas estruturas na visão do artroscópio e para realizar os procedimentos necessários para o diagnóstico e o tratamento. Os instrumentos adicionais para reparos cirúrgicos, também podem ser inseridos na articulação através de pequenas incisões adicionais na articulação. Esses instrumentos podem ser usados para cortar, remover e suturar (costurar) tecidos danificados. Após a conclusão do procedimento, o artroscópio é removido e as incisões são suturadas. Pode ou não ser colocado um dreno de sucção para absorver o líquido que ficou no joelho durante a realização da artroscopia. Um curativo estéril é colocado sobre a incisão.

Dr. Bruno Santos Leal Campos

CRM-DF: 26126 | TEOT: 16708
Ortopedista e Traumatologista | Cirurgião de Joelho

  • MBA de Gestão em Saúde na Fundação Getúlio Vargas (FGV) (2019-2021).
  • Fellow em Cirurgia de Joelho no Hospital HOME (2019-2020);
  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT (2019);
  • Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo (2016-2019);
  • Graduado em Medicina pela Faculdade Integral Diferencial (2015);
  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte – SBRATE;
  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico – SBTO;
  • Membro da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos – AAOS.
 Dr. Bruno Santos – Ortopedista Brasilia 1
 Dr. Bruno Santos – Ortopedista Brasilia 2
 Dr. Bruno Santos – Ortopedista Brasilia 3
 Dr. Bruno Santos – Ortopedista Brasilia 4

Especialista em Joelho

O joelho é definido pelo encontro de três ossos: o fêmur (osso da coxa) a tíbia (osso da perna) e a patela (rótula). Trata-se de uma articulação altamente complexa, realizando movimentos em vários planos, o que lhe confere uma mecânica particular. Ele é composto, além dos componentes ósseos e cartilaginosos, por ligamentos internos e periféricos, elementos fibroelásticos intra articulares para absorção de impacto, proteção e estabilização secundária (os meniscos); bem como diversos grupos musculares e tendíneos, estruturas neuro vasculares, e tecidos sinoviais que revestem e vedam a articulação. O joelho está sujeito a várias lesões, tanto traumáticas (fraturas, luxações, lesões ligamentares), quanto associadas a impacto e movimentos de repetição, alterações degenerativas e inflamatórias, sendo as mais comuns: Artrose, Osteonecrose, Lesões Ligamentares – lca / lcp / lcm / lcl, Lesão Meniscal – Condral, Condropatia Patelar – Instabilidade Patelar, Fraturas, Tenossinovites – Bursites.

especialista em joelho brasilia

Principais Doenças Tratadas

doenças do joelho
  • Artrose do Joelho;
  • Lesões dos Meniscos;
  • Lesão do ligamento cruzado anterior do Joelho;
  • Condropatia Patelar;
  • Osteoartrite Patelar;
  • Osteonecrose idiopática do joelho;
  • Bursites no joelho;
  • Fratura por Estresse.